GGRF-Geek-Game-Rio-Festival

[SE] Geek & Game Rio Festival 2017

Salve, salve minha galera geek!

Esta semana aqui em terras cariocas, no aqui em terras cariocas, no Rio Centro, ocorrerá um evento da hora pra quem curte ser geek e jogar ou pra quem curte jogar e ser geek, ou pra quem curte… Geek…

De 21 a 23/04, feriadão (segundo só esse mês) ocorrerá o Geek & Game Rio Festival 2017, um mega evento voltado ao público geek e gamista e cosplayer e quem curte a cultura pop. Tem pra todos os gostos! Inclusive contará com uma seleção de candidatos de fazer inveja a muitos eventos:

Os fãs de quadrinhos terão a oportunidade de conhecer o ilustrador britânico David Lloyd, conhecido mundialmente por ter dado vida à série V de Vingança ao lado do roteirista Alan Moore é o primeiro convidado internacional confirmado para o Geek & Game Rio Festival. Lloyd fará parte do painel “Quadrinhos como Ferramenta de Protesto”.

O designer de games Tim Schafer, que se tornou uma lenda dos jogos do estilo Adventure, está mais que confirmado. O americano, conhecido mundialmente por títulos como Day of The Tentacle, Full Throttle e Grim Fandango, virá ao país pela primeira vez para um painel especial.

Por falar em literatura… Se você curte Fantasia, horror e ficção científica sabe que esses são os gêneros favoritos da escritora norte-americana Christie Golden, que assina algumas das obras mais conhecidas do universo nerd, como Lord of the Clans, Arthas: Rise of the Lich King, Thrall: Crepúsculo dos Aspectos e Marés de Guerra do game World of Warcraft.

Teremos também presenças nacionais, como das escritoras Luciane Rangel (série Guardians, Tenshi um Anjo sem Asas e Destinos de Papel) e Bia Carvalho (Jardim da Escuridão, Versos Sombrios e Horas Noturnas). Eslas estarão autografando no espaço Artway, no estande AW10. É uma excelente oportunidade de conhecer mais sobre a nova literatura nacional da qualidade que um GGRF proporciona.

O festival está equipado também com um espaço para os pequenos geeks, uma arena e-sport de (pasmem) 900 m², espaço para artistas independentes e um concurso de cosplay que premiará o melhor com um scooter zerinho!

Acho que depois disso não tem como perder. Vemos vocês por lá!

______________________________________________________________________________

Fala Galera,

Sou eu Thiago invadindo o post do Mario só para avisar que no sábado dia 22/4 estarei no evento junto com o Gustavo Coca, do CocaTech e no domingo Mario levará o seu charme para o evento!

teste cópia

[SL] Hoje é Sphera nos Quadrinhos – Com RAPHAEL PINHEIRO e DENIS MELLO

Olá, minha Spheraiada do mundo dos HQs!

Olha “nóis” aí outra vez para falar de uma paixão de todo geek: revistas em quadrinhos!!

Mas, não pense que hoje vim falar de Marvel ou DC, vim falar de quadrinhos nacionais. Já adiantando o expediente, digo que gosto tanto de uma quanto de outra, sem ofensa aos lados. Mas, de um tempo pra cá vim observando a necessidade de apresentar as produções nacionais. 

Vamos pensar: só existe grandes quadrinistas no estrangeiro? Minha resposta é não, não mesmo.

Nessa seara, apresento a vocês dois quadrinistas que conheci recentemente e que venho curtindo bastante o trabalho dos dois: Raphael Câmara Pinheiro e Denis Mello.

Raphael Pinheiro vem com uma proposta de quadrinhos bem interessante e, para que ele aconteça, é necessário aquele apoio bacana no Catarse. Seu Os Tomos de Tessa é uma história da mais fina ficção científica que vem sendo refinada por ele faz tempo. Sua premissa é, segundo o próprio autor, contar as aventuras de RahTessalor, o herdeiro do trono de uma poderosa raça alienígena que se vê no meio de uma guerra de proporções interplanetárias. Ele precisa se reunir com uma guilda de seres dos mais diversos povos e planetas para impedir a destruição do seu povo.

Recomendo que vocês acessem o link do Catarse para maiores informações e trazer este quadrinho para a realidade: https://www.catarse.me/os_tomos_de_tessa_f8a0

Denis Mello tem um trabalho mais voltado ao quadrinho cerebral, noir, que te deixa com a pulga atrás da orelha. Diferente do anterior, ele não pede nosso apoio no Catarse, mas no apoie-se. Aquele apoio mensal e bacana para que ele continue a produzir sua Teocrasília com todo afinco. Afinal, em seu quadrinho, Denis tem a proposta de guerrilha urbana em que O setor religioso mais extremo da política nacional enfim estabelece um regime teocrático no Brasil! Mas nem todos se curvarão ao conservadorismo!

Recomendo também o apoio ao Denis através do link https://apoia.se/teocrasilia

Lembrando que ao investirmos nas ações nacionais, tanto em quadrinho quanto em livros ou até nossos podcasts, estamos investindo também em novos conteúdos voltados à nossa necessidade e incentivando os nossos artistas e produtores de conteúdo a trabalhar sempre em um material de primeira linha.

Venha conosco, vamos apoiar a produção nacional!

 

a0b50fad5bf7bf1

[SE] EXTRA! EXTRA! EXTRA! Novidades na CPBR 2017!

​Salve, salve minha Spheraiada campuseira!

Em edição extraordinária venho fazer uma pergunta a todos vocês: Já garantiram a sua barraca na Campus Party Brasil 2017?

​Creio que muitos de vocês, assim como eu, são fãs de streaming. Nossa geração não é mais aficionada pelas novelas de televisão. Somos mais globalizados e internacionalizados consumimos TV por assinatura, passamos pelos torrentes de internet e culminamos nos fornecedores de filmes e séries via streaming. São conteúdos que todos gostamos de acompanhar e passamos horas a fio fazendo maratonas intermináveis na tentativa de deixar tudo em dia.

​Desde 1997, a Campus Party reúne jovens geeks para uma experiência única de um festival de inovação, criatividade, ciência, empreendedorismo e universo digital. Desde 2007 no Brasil, a CP bate recorde atrás de recorde. Somente este ano foram mais de 82 mil visitantes, 8 mil campuseiros vindos de 24 Estados brasileiros. Ao longo de uma semana, os participantes ficaram instalados em mais de 6,5 mil barracas e contaram com uma internet de 40 gigabytes para aproveitar mais de 700 horas de atividades e conteúdos.

​E se eu te dissesse que a CPBR trará, pela primeira vez no Brasil para abrilhantar a comemoração de 10 anos do evento, um dos responsáveis por tudo isso? É simplesmente um sonho!

​Mitch Lowe, cofundador da Netflix, na edição de 10 anos do evento!!!!!! Lowe é atualmente CEO da MoviePass, empresa pioneira em assinatura de ingresso para cinemas. Desde o final de 2011, atua como um consultor independente para empreendedores e startups. Tem mais de 25 anos na indústria de locadoras e venda de fitas VHS, incluindo cargos executivos em duas grandes empresas do mercado de entretenimento doméstico da década de 80. Em 1998, foi um dos responsáveis pela criação da Netflix em que atuou também como _Entertainment Domain Expert_ e Vice President of Business Development & Strategic Alliances.

Mitch estará na Campus Party, na sexta-feira, 3 de fevereiro, às 13h. A CPBR10 ocorrerá entre 31 de janeiro e 5 de fevereiro, no Centro de Exposições do Anhembi.

É realmente um evento que não dá pra perder. Garanta já a sua barraca e se joga no universo geek!

rogueone_logo.0.0

[SC] Rogue One ou Uma História de Saudade

 

Fala Spheraiada do meu Brasil! Olha nóis aí outra vez!

Hoje viemos falar de um filme icônico: Rogue OneUma História Star Wars! Mas ATENÇÃO, pode conter um spoiler ou outro na análise.

Confesso não ser aquele fã mais dedicado da série. Ainda mais por não participar da “crise infinita na guerra do Sci-Fi” Star Wars x Star Trek. Gosto tanto de uma franquia quanto da outra. Mas qual a causa, motivo, razão ou circunstância?! Simples: gosto de apreciar as boas obras.

Porém, desde que os Estúdios do Ratinho Orelhudo comprou a franquia eu fiquei um tanto quanto preocupado de tudo caminhar para o precipício. Dei o braço a torcer e lá fui eu assistir o episódio VII. Sinceramente, gostei do filme. Não se descabele, meu querido leitor, lembre que sou fã moderado da franquia. E como tal, vim falar de Rogue One.

Eu, meu chefinho Thiago Simão e o professor Charles “Xavier” de Freitas fomos ao Cine Odeon no Centro do Rio de Janeiro para assistir e fazer o unboxing da promoção #MeuPodcasterSecreto, onde vários de nós, podcasters amantes da literatura, resolvemos fazer um mega amigo secreto. Foi muito divertido e você pode conferir o link clicando aqui. Lembrando que o Cine Odeon é um dos mais antigos cinemas de rua do Rio de Janeiro ainda em atividade, pois a grande maioria foi desativada ou virou templo religioso.

O filme Rogue One tem um misto de saudosismo e apresentação de personagens. Este belo Spin-Off, dirigido por Gareth Edwards esteve livre para explorar uma parte maior do universo da franquia, deixando o fã conhecer novas partes do universo, ver novas criatura com a bênção da tecnologia gráfica e ver até novos troopers – que acertam os alvos!

A história é bem fechada em si mesma, mas contamos com alguns medalhões como Darth Vader, C3PO, R2D2 e a nossa saudosa Princesa Leia. Cada aparição foi meticulosamente calculada para que nenhum excesso fosse cometido. Foi incrível. Foi uma bela interconexão com o Episódio IV, até porque, todos sabem que esse filme foi feito para preencher essa lacuna de “como achamos a planta da Estrela da Morte”.

Sinceramente, apesar da Força estar sempre presente e atuante, no desenrolar do filme, acabou que não sentimos falta de ter Cavaleiros Jedi e lutas com sabres de luz por aí. Foi muito bem dosada esta questão e, pasmem, no final acontece uma baita emenda entre o Spin-Off e o Cânone. Porém, essa é só uma parte do final. A outra parte eu sinceramente não curti. Tudo bem, curti. Foi necessário que acontecesse pois justamente não teria como se desenvolver tantas histórias paralelas assim.

Minha nota é 6,8/7. Querendo muito dar 7, mas tem uns vacilos e barrigas no roteiro. Mas, a palavra final é: assitam!

 

tropas-estelares-robert-heinlein

[SC] Canivete Suiço – STARGEEK TROOPERS

Olá a todos os geeks dessa Spheraiada!

É neste post de estreia aqui no SG – antes Sphera Geek, quem me dera Star Gate – e, se não for destruído pelos malditos insetos, vocês continuarão a me ver por aqui. Meu nome é Mario Marcio Felix, o MM, o Felix, ou o @MMFelix.

Para começarmos nossas conversas, queria trazer aquela ficção científica moleque, aquela FC de raiz, que joga na várzea de pé descalço e fez com que eu me apaixonasse perdidamente pelo tema. É sim, é Starship Troopers seus malditos insetos, outros planetas, viagens espaciais, tiros e outras coisas… Então aqui vai algo saudosista, que faz palpitar o coração mesmo com possíveis furos na adaptação das diversas mídias.

Em 1959, Robert A. Heinlen idealiza uma sociedade em que o cidadão só exerce seus plenos direitos através de um serviço militar voluntário. No desenrolar da trama, somos invadidos por uma sociedade formada por insetos que tem a missão de destruir tudo o que vê pela frente. Isso dá tanto pano pra manga que podemos destrinchar melhor toda filosofia por trás da obra, se vocês quiserem, em outro post. Nesse, são as memórias de um geek saudosista e órfão do finado USA Channel.

Starship 02

Como tive meu primeiro contato com a obra de Heinlen? Lendo? Nada! Conheci através de um pioneiro desenho animado feito em computação gráfica. Eram os idos de 1999 e o USA Channel havia lançado o Roughnecks:Starship Trooper Chronicles. Junto, descobri o filme que fora lançado dois anos antes, cujo nome era o mesmo que o livro. Posteriormente, este filme ganhou mais três continuações: Heroes of the Federation (2004), Marauder (2008) e Invasion (2012). Infelizmente só as descobri faz pouco.

Essa paixão por armaduras cibernéticas está em mim desde cedo, começou pela minha paixão pela idade média e romances de cavalaria. Não penso em armaduras somente pela aplicação bélica, mas pelos avanços tecnológicos que elas trazem no campo da proteção pessoal e do aumento do desempenho humano. O mais legal é que uma boa parcela desses avanços científicos começam na imaginação de um simples autor, de alguém que sonhou, imaginou e traduziu em palavras. Eles inspiram outros geeks a tornar realidade àquilo que foi imaginado. É fantástica essa possibilidade que a literatura proporciona a quem ousa fazer dela uma parceira.

Starship 04

Sendo bastante sincero, a galera que nasceu sob o signo da internet tem maior facilidade em descobrir conteúdos novos e voltados para nosso nicho. Na minha época, não digo que era mais roots, que era melhor, mas a gente tinha que ralar para ter um bom entretenimento que não era o de massa. Por essas e outras, tenho saudades da Manchete.

Ficou curioso? “Você quer saber mais?” Corre e dá uma buscada que é entretenimento certo! Leia o livro antes, eu recomendo muito! A editora Aleph fez uma edição muito bacana do livro. A literatura ainda vale muito a pena e ela será tema recorrente aqui na nossa coluna, onde ela terá como parceira a tecnologia. Por fim, veja os filmes e a série animada, pois, pra quem é experiente como eu, é uma viagem no tempo; pra que é novinho, é ver as origens de algo que gostamos tanto. Estou aqui para instigar a todos, vamos (re)descobrir coisas e gostos.

Starship 01

Pra início de conversa, acho que está ótimo o que vocês me dizem? Vamos fazer deste um espaço colaborativo!! Você me encontra nas reder sociais como @MMFelix no Twitter e como felixliteratura no Instagram. Lá, sempre posto algo sobre literatura, respondo a dúvidas e dou indicação de livros.

Como diz o poeta, toca o barco!