Sphera Games #14 – Viagem ao Centro da Loucura Far Cry 3

O protagonista do jogo se chama Jason, um filhinho de papai/playboy que tem tudo do bom e do melhor, tendo uma vida invejável por muitos. Ele, seus dois irmãos e um grupo de seis amigos gostavam de viajar ao redor do mundo quando resolveram ir a uma ilha no pacifico. Lá, eles vão do céu para o inferno, pois depois de um salto de paraquedas cada um pousa em um lugar e eles descobrem que aquela ilha era dominada por piratas, e seu líder, Vaas – O vilão que você ama odiar – (que teoricamente não é o vilão principal, mas na prática é)  pede um resgate aos pais de Jason.

E como dizem os agentes da CIA:  “Uma vez filho da p**ta, sempre filho da p**ta”.  Vaas pegar o resgate e não os liberta, resolvendo vende-los  como escravos para ricos sádicos (tipo aquele filme “O Albergue”).

O maior erro de Vaas foi questionar a capacidade de Jason, achando que ele era só um playboy mimado (o que ele realmente era no começo). No início do jogo você tenta fugir da prisão de Vaas, mas ele apresenta suas referências doentias. Ele olha para Jason e fala:

“Você tem 30 segundos… RUN FOREST! RUN!”

Você foge e acaba caindo em um rio e é resgatado pelo local Dennis, da tribo Rakyat. Dennys faz uma tatuagem em Jason, pois ele seria uma espécie de Chosen One para matar Vaas e libertar o povo Kyarat.  A história é de longe a melhor dos jogos da saga FC, não só pela originalidade por se assemelhar ao filme “Turistas”, mas sim pela forma que o roteiro se desenvolve e o envolvimento com os personagens.

Como eu disse anteriormente a vocês, o jogador começa um Filhinho de Papai e termina um Rambo, chegando ao ponto que nada poderia para-lo. Ele se descobre um guerreiro e pela primeira vez na vida encontra uma razão boa para viver, perdendo até a vontade de regressar a sua antiga vida que de acordo com ele era fútil e vazia. Como o enredo explora a “cultura indígena” haverá muito misticismo no jogo e isso é bem interessante, tanto que eles mantiveram isso em FC 4 e Primal.

O jogo tem dois finais diferentes, mas calma você não tem que jogar de novo para saber o outro final. Ele é decidido no momento final do jogo, então você pode ver um final, voltar o save e ver o outro final.
A jogabilidade tem elementos de Perk (RPG), que são demonstrados de uma forma muito legal. Você tem três caminhos para investir e conforme você investe em um perk (como nocaute por exemplo) uma tatuagem surge em você. Legal né? O sistema de “nocaute” do jogo é ótimo, você chega atrás do inimigo e elimina ele com a faca. Conforme você upa esse perk, ele vai melhorando.

download (1)Você pode investir em um nocaute em que você pega a pistola do inimigo e mata um oponente próximo ou desencadeia um “efeito dominó” de outros nocautes. Os gráficos de Far Cry 3 são incríveis até hoje (lembrando que o jogo é de 2012), sendo coloridos e cartoonizados, ver um pôr do sol em FC 3 é lindíssimo! E Isso foi mantido no FC 4. A trilha sonora nem se fala, como de praxe da Ubisoft é sensacional, as músicas que tocam nas rádios são realmente muito boas.

Vou explicar como funciona o sistema de Pontos de Controles e Torres De Rádio que se aplica a quase todos os jogos da Ubisoft, porém em estilos diferentes:

* O mapa não é totalmente desbloqueado. Para desbloquear é só escalar as Torres de Rádio, que além de revelar o mapa, desbloqueia armas de graça em postos de controle.

* Postos de Controle:  são como pequenos lugares onde existem diversos inimigos. Você invade o local e mata todos seus inimigos. Desligue TODOS os alarmes antes de ativar o modo “pé na porta, tapa na cara”… por um motivo bem simples: Eles podem chamar reforços. E chamando reforços, acredite;; fica insuportável tomar um Posto de Controle.

* A movimentação do jogo é fluida, desde correr ou até mesmo o mergulho do jogo é bem feito. A sua ambientação nem se fala! Aquela ilha tropical, com diversos animais que agora realmente existem, diferentemente de seu antecessor, varia desde Leopardo até Dragões de Comodo.

* Se você avistar um Dragão de Comodo, corra. Eles são horrivelmente chatos para matar.

Agora vamos falar do melhor personagem desse jogo: Vaas Montenegro. No começo da resenha eu disse que era um personagem que você ama odiar, mas porque “ama odiar”? É simples, você sabe que o personagem é um baita de um cara ruim, essencialmente ruim, mas sempre que ele aparece, a cena gira em torno dele, ele rouba ela totalmente. Sempre que ele aparece, você nunca sabe o que ele vai fazer.

Ele é claramente inspirado no Coringa por esse fator de imprevisibilidade –  e lógico que ele não tem a genialidade do coringa, longe disso. monologo sobre a insanidade dele é de longe a melhor cena do jogo inteiro. Você não sabe o que vai acontecer chegando a dar certa agonia. Esse cara é f*da até mesmo na batalha final dele, em que você… Opa! Spoiler não!

imagesFar Cry 3 foi um TREMENDO sucesso criando um hype para os outros jogos e reascendendo a chama da saga, sendo de longe o melhor jogo da mesma. Eu daria para Far Cry 3 a  4.4/5 spheras .

 

Para me encontrar na rede e enviar seu email acesse:
contato@spherageek.com
Twitter: @JackSpheraGeek

Um abraço e vida longa e próspera,

Jack