1501112879360

[SL] No centenário de morte, primeira autora negra do Brasil ganha reedição

Em 2017 completa-se o centenário da morte da primeira escritora negra do Brasil e primeira autora de romance abolicionista em toda a língua portuguesa. Maria Firmina dos Reis publicou Úrsula em 1859, livro que estava fora de catálogo, mas em setembro desse ano ganha nova edição pela PUC Minas. Eduardo de Assis Duarte, pesquisador da literatura afro-brasileira, autor de livros sobre o tema e doutor em letras, assina o posfácio e escreve sobre a contextualização histórica da obra no conjunto de escritos de escravizados no Ocidente.

Filha de mãe branca e pai negro, provavelmente escravo, Firmina adquiriu, dentro das possibilidades, referências culturais e o domínio da norma culta através da família da mãe, composta de músicos e um primo estudioso. É possível que tal fato proporcionou que escrevesse músicas, sendo a primeira mulher aprovada num concurso público para o magistério em sua terra natal, o Maranhão, e também para que fundasse, mais tarde, a primeira escola mista – com alunos brancos e negros – e gratuita do estado, algo inovador naquele tempo.

Ainda que muito importante, Firmina é pouco citada e conhecida. De acordo com Duarte, no posfácio de uma edição de Úrsula de 2004, os elementos determinantes para o silenciamento foram a ausência de assinatura, a indicação de autoria feminina, a distante localização geográfica e o tratamento inovador dado ao tema da escravidão. Ao contar a história de Úrsula, protagonista branca; Túlio, escravo que se torna livre; Tancredo, que se apaixona por Úrsula; Fernando, o grande vilão; e Susana, que narra suas vivências antes de ter sido trazida como escrava, Firmina busca humanizar o negro através da valorização da memória, algo pouco comum na época. Diferente dela, “os autores defendiam a abolição por que a escravidão corrompia a família branca brasileira, como acontece em As Vítimas-Algozes (1869), de Joaquim Manuel de Macedo e A Escrava Isaura (1875), de Bernardo Guimarães”, explica Duarte.

Apesar da excelente escrita, Firmina omitiu seu nome assinando as obras como “Uma Maranhense”. No prólogo, ainda diz: “Mesquinho e humilde livro é este que vos apresento, leitor”, falando logo em seguida que o mesmo não tem valor por ser de uma mulher. Antigamente, era comum esse “recato literário”, pois a escrita não costumava ser feita por mulheres. “Evidências confirmam que escritoras do século 19 e primeiras décadas do século 20, na produção hispano-americana, apresentaram-se com uma escrita ‘menor’ como estratégia de veiculação e aceitação de suas obras”, explica Luciana Martins Diogo, mestra em Culturas e Identidades Brasileiras pela USP.

Embora existisse o “recato”, Firmina não só publicou como antecedeu diversas questões atuais. Para o professor Duarte, “a autora maranhense, pela primeira vez, constrói a crítica do patriarcado escravista do duplo ponto de vista da vítima, mulher e negra”. Para Luciana, um dos grandes legados da obra firminiana foram “seus questionamentos em relação ao lugar e ao papel da mulher na sociedade”, algo que se percebe, por exemplo, quando a protagonista diz: “Nunca pude dedicar a meu pai amor filial que rivalizasse com aquele que sentia por minha mãe, e sabeis por quê? É que entre ele e sua esposa estava colocado o mais despótico poder: meu pai era o tirano de sua mulher, e ela, triste vítima, chorava em silêncio.”

Em questão histórica, Firmina, no entanto, não foi quem inaugurou a literatura afro-brasileira. Segundo Luciana, essa literatura pode ser entendida como uma interação dinâmica de cinco componentes: temática, autoria, ponto de vista, linguagem e público. Já para Oswaldo de Camargo, jornalista, estudioso da literatura negra e autor dos livros O Negro Escrito, A Descoberta do Frio (ficção) e Carro do Êxito (contos), é fundamental que “o escritor negro se veja como negro, tire as consequências e escreva seu texto. Por isso que um branco não pode fazer literatura negra.” Maria Nilda de Carvalho Mota, a Dinha, poeta e doutoranda de estudos comparados nas letras, que atua nos campos de literatura afro-brasileira e africana, no entanto, acha que é possível, teoricamente, escrever da perspectiva de um negro, mas diz que não tem encontrado. “Noto que as pessoas que não vivem na pele tendem a ser sensacionalistas porque passou pelo estômago, que é a indignação, mas tem que passar pelo coração e pela cabeça.”

Assim, para entender como a história da literatura negra se desenvolveu, é preciso voltar antes mesmo de Firmina. O negro apareceu primeiramente nos poemas (que antecedem os romances na maior parte das literaturas). Oswaldo explica que o primeiro escritor mulato que vai dar “relances de uma literatura voltada para a questão racial” é Domingos Caldas Barbosa, com o livro Viola de Lereno. Oswaldo cita o verso em que se lê: “Ai Céu! / Ela é minha iaiá / O seu moleque sou eu.”

Maria Firmina dos Reis (6)

“Manuel Bandeira fala que nossa poesia vai começar com Domingos Barbosa, porque sua linguagem usa pela primeira vez palavras brasileiras. Quando ele fala moleque, isso tem uma conotação, porque moleque era sempre preto. Muito tenuamente, está insinuando também uma condição racial.” Mas, segundo Oswaldo, o primeiro autor que usa o eu negro para escrever foi Luiz Gama, com o livro Primeiras Trovas de Getulino, de 1859. Um dos poemas, conhecido como Bodarrada, diz: “Se negro sou, ou sou bode, / pouco importa. O que isso pode? / Bodes há de toda a casta, / pois que a espécie é muito vasta…”

Ou seja, no mesmo ano em que Gama torna-se o primeiro negro a se dizer como tal em São Paulo, Maria Firmina, anonimamente, torna-se a primeira mulher a fazer literatura negra no Maranhão. “Bode quer dizer mulato. Então é um passo grande entre Caldas Barbosa e Luiz Gama, que vai responder à sociedade da Pauliceia mostrando que nossa sociedade está cheia de bodes, mas todos tentando esconder a sua parte negra. Alguns conseguiram”, explica Oswaldo.

Para o escritor e estudioso, não é à toa que o negro não costumava ser visto ou citado sequer pelos mulatos. “A primeira coisa que um pardo ou mulato fazia era passar a linha de cor porque ser negro era sinônimo de escravo. A partir daí há um embranquecimento social muito sério. Então, o próprio branco, quando uma pessoa escura ascendia, queria tirá-lo do rol de pessoas negras.” Não é à toa que até hoje o rosto verdadeiro de Maria Firmina é desconhecido. O branqueamento da imagem foi sendo construído ao longo desses anos com base em um equívoco. Um retrato existente na Câmara dos Vereadores de Guimarães foi inspirado na imagem de uma escritora branca gaúcha, que acreditava-se ser Firmina. O busto que está no Museu Histórico do Maranhão também reproduz a imagem de uma branca.

Apesar das tentativas de se ocultar o negro da história, muitos outros nomes surgiram, como o mulato Francisco de Paula Brito, o primeiro editor do Brasil. Considerado um dos precursores do conto, além disso, editou O Filho do Pescador (1843), primeiro romance do País, escrito pelo mulato Antônio Gonçalves Teixeira e Souza. Outros nomes são Cruz e Souza, filho de ex-escravos e que fez literatura negra; Lima Barreto, que se assume como mulato e é o homenageado da Flip em 2017; Lino Guedes, que é o primeiro autor negro a escrever mirando o público da mesma cor; isso sem citar Machado de Assis e Mário de Andrade. Paralelamente a eles, outros escritores surgem colocando o negro em suas obras, nem sempre de modo positivo.

Segundo estudos da pesquisadora Maria Nazareth Soares Fonseca (2011), os negros na literatura, quando vistos como objeto, podem ser agrupados do seguinte modo: escravos e ex-escravos, como em Gregório de Matos (século 17); branqueamento, como em O Mulato (1881), de Aluísio de Azevedo; vítima, como em O Navio Negreiro (1869), de Castro Alves; negro ruim, como em Bom-Crioulo (1895), de Adolfo Caminha; negro como depravado, em A Carne (1888), de Júlio Ribeiro; negro como inferioridade, como em O Demônio Familiar (1857), de José de Alencar.

A partir de 1870, o negro é tema constante na pena de quase todos os poetas do Brasil e, desde o início da década de 1980, há um aumento da produção de escritores que “vinculam a noção de sujeito à de etnia afrodescendente”, como explica Duarte. Com a primeira edição de Cadernos Negros, em 25 de novembro de 1978, pelo grupo Quilombhoje, que proporcionou a autores negros a possibilidade de terem textos publicados, de preferência com a temática negra, as mulheres finalmente voltam a aparecer. “Os escritores e escritoras negras existiam, mas não tinham meios de publicar”, informa Maria Nilda. A iniciativa ainda existe e já revelou diversos autores e autoras consagradas, como Conceição Evaristo, que publicou seu primeiro poema em uma edição dos Cadernos e hoje é uma das principais expoentes da literatura afro-brasileira.

Outros nomes atuais ou recentes na nossa literatura são Carolina Maria de Jesus,que publicou Quarto de Despejo (1960), um diário em que registrava o dia a dia como catadora de latas na favela do Canindé, em São Paulo; Joel Rufino dos Santos, vencedor do Prêmio Jabuti de Literatura; Ana Maria Gonçalves, com Um Defeito de Cor, Prêmio Casa de las Américas de 2007; e Cuti (Luiz Silva), com mais de 20 títulos publicados abrangendo poesia, contos, dramaturgia e crítica. Para Maria Nilda, que também escreve “a gente é mais comercializável do que no passado. Mas ainda falta muito, né?”

Para termos uma dimensão melhor dos tempos atuais, há a pesquisa de Regina Dalcastagnè, presente no livro Literatura Brasileira Contemporânea: Um Território Contestado (2012), que analisou 258 romances publicados no período de 1990 a 2004 pelas editoras Companhia das Letras, Record e Rocco. De acordo com os dados, no romance brasileiro atual, apenas 7,9% das personagens são negras. Desse pequeno universo, 20,4% são bandidos, 12,2% empregados e 9,2% são escravos. Entre as causas de morte, 61,1% das personagens negras são assassinadas pelos escritores em seus romances, enquanto apenas 28,1% das personagens brancas são vítimas de assassinatos.

Para Oswaldo, a dificuldade do autor negro hoje em dia é apostar em uma temática que não é conhecida. “O importante não é, de fato, ser lembrado como um grande autor. Não são citados tanto agora? Não importa. O benefício que estão fazendo com seus textos, não dá para mensurar. A literatura não é feita só com grandes autores, é feita com arroz e feijão também.” Já para Maria Nilda, a literatura atual vive um momento “revolucionário”, que está mudando as formas, linguagens, conteúdos e sujeitos. “Escritoras novas são impulsionadas pelas mais velhas, mas a gente também as promove. É dialético esse movimento. Elas nos dão referência e a gente lhes dá sustentabilidade.”

Assim, cem anos depois da morte de Firmina, a situação mudou, mas a voz da escritora e de tantos outros que vieram depois ainda ecoa em um país que pouco conhece a história e a cor de seus escritores e escritoras do passado e presente. Como diria Firmina em seu livro: “Quando calará no peito do homem a tua sublime máxima – ama a teu próximo como a ti mesmo – e deixará de oprimir com tão repreensível injustiça ao seu semelhante!… Aquele que também era livre no seu país… Aquele que é seu irmão?”

Fonte: Estadão

jo-soares_o-xango-de-baker-street

[SL] Dobradinha Literária: O Xangô de Baker Street | Jô Soares

Rio de Janeiro, 1886. A diva francesa Sarah Bernhardt pela primeira vez se apresenta no Brasil. O público se curva perante o talento de Sarah, incluindo o imperador Dom Pedro II, que lhe conta um segredo: um valioso violino Stradivarius, um presente seu à baronesa Maria Luíza, desaparecera misteriosamente.

Sarah então sugere que o imperador convide o famoso detetive Sherlock Holmes para investigar o caso. Dom Pedro II aceita o conselho e logo o detetive inglês concorda em viajar até o Brasil para desvendar este mistério.

Ao mesmo tempo, um assassinato choca a cidade e deixa em pânico o delegado Mello Pimenta. Uma prostituta fora assassinada e teve suas orelhas decepadas e uma corda de violino estrategicamente colocada em seu corpo pelo assassino. Enquanto o delegado busca pistas, Holmes e Watson desembarcam no Rio de Janeiro sem saber os perigos que os esperam: feijoadas, caipirinhas, vatapás, pais de santo e o poder de sedução das Mulatas locais.

Nesta história, Sherlock Holmes, dr. Watson e o delegado Mello Pimenta vão percorrer as ruas da capital brasileira atrás de informações para descobrir o mistério do violino e encontrar o autor dos crimes que estão chocando a cidade.

A trama ressuscita um Rio de Janeiro de fins do século XIX governado pela monarquia, envolvendo uma nobreza bajuladora e uma turma de boêmios cariocas.

Nesta história o famoso detetive inglês tem suas faculdades analíticas e seu senso de observação afetados pelo calor dos trópicos e por circunstâncias inesperadas. Em uma perseguição ao misterioso assassino, Sherlock tem de parar por causa de um vatapá o qual lhe gerou uma dor de barriga. Este e outros acontecimentos que se seguem tornam o mesmo mais propenso a erros, mais humano.

photo

[SL] Rapha Pinheiro: Visitando Angoulême | Vivendo na França

VIVENDO NA FRANÇA

Último vídeo do quadro Vivendo na França. Não podia deixar de fazer um vídeo sobre a cidade onde aprendi tanto. Foi um prazer inenarrável e até a próxima!

Quer saber mais sobre meu trabalho? Aqui vai a lista de links úteis:

Meu Site: https://www.raphapinheiro.com/
Facebook: https://www.facebook.com/raphacpinhei
Instagram: @RaphaCPinheiro
Twitter: @RaphaCPinheiro

Aquele abraço!

 

 

A-Guerra-Salvou-Minha-Vida-DarkSide-Books-post4

[SL] Vídeo Resenha | A Guerra que salvou a minha vida – Kimberly Brubaker

Desde que anunciaram o lançamento de A Guerra que Salvou a minha vida eu fiquei bem louco para ler. Hoje, trago as minhas impressões sobre esta leitura.

Sinopse: “A Guerra que Salvou a Minha Vida” é um daqueles romances que você lê com um nó no peito, sorrisos no rosto e – entre um parágrafo e outro – lagrimas nos olhos. Uma obra sobre as muitas batalhas que precisamos vencer para conquistar nosso lugar no mundo. Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.

maxresdefault

[SL] Power Creep ou Efeito Dragonball | Escrevendo Quadrinhos

Hoje vamos conversar sobre Power Creep ou Power Crawl ou Efeito Dragonball. Esse conceito está muito presente em games mas é perfeitamente aplicável para narrativas de quadrinhos. Na verdade, para qualquer narrativa…
Acabo usando A Lenda de Aang e A Lenda Korra como exemplo pra variar hahaha…

Quer saber mais sobre meu trabalho? Aqui vai a lista de links úteis:

Meu Site:
https://www.raphapinheiro.com/
Facebook:
https://www.facebook.com/raphacpinhei…
Instagram:
@RaphaCPinheiro
Twitter:
@RaphaCPinheiro

Aquele abraço!

IMG-20150914-WA0019 download

[SL] A Guardiã de Muiraquitãs | Gustavo Rosseb

Neste segundo volume da série As Aventuras de Tibor Lobato, Sátir desaparece e seu irmão Tibor Lobato, junto com o amigo Rurique, partem em busca de pistas, numa jornada que envolve viagens subaquáticas, cidades fantasmas, ataques de lobisomens, botos e filhotes de saci.

Quando os garotos pensam que as coisas não podem piorar, recebem um aviso da Guardiã de Muiraquitãs de que o último amuleto, que poderia garantir a vitória sobre a Cuca, foi roubado. Os rumores são de que o suposto ladrão é um forasteiro que ronda a Vila Serena, gerando muitas suspeitas e ainda mais mistérios. É chegada a hora de enfrentar a quaresma mais uma vez onde tentar sair ileso é uma tarefa quase impossível.

Ele deveria ter tomado mais cuidado com seus desejos…

Aventura / Fábula / Fantasia / Ficção / Infantojuvenil
Ano: 2016 / Páginas: 336
Idioma: português
Editora: Jangada

Sem título4

[SC] NETFLIX – Os treze porquês [Thirteen reasons why] | #NãoSejaUmPorquê

Os treze porquês [Thirteen reasons why], lançamento recente da Netflix, traz assuntos importantes como bullying, depressão, machismo e suicídio. Sem dúvidas é uma série para ser discutida.
Esse vídeo não contém spoiler.
#NãoSejaUmPorquê

MINHAS REDES SOCIAIS

◾ twitter: http://twitter.com/_mdevaneios
◾ instagram: http://twitter.com/mdevaneios
◾ facebook: http://facebook.com/BlogMerosDevaneios
◾ tumblr: http://merosdevaneios.tumblr.com
◾ skoob: https://www.skoob.com.br/usuario/417640
◾ pinterest: https://br.pinterest.com/merosdevaneios

O Canal Meros Devaneios tem seu foco na literatura, mas também abrange assuntos relacionados ao mundo cinematográfico, das séries e ao universo pop e geek em geral. Seja muito bem vindo e sinta-se a vontade para interagir.
SE INSCREVA NO CANAL MEROS DEVANEIOS

 

 

a_marca_de_uma_lagrima

[SL] A marca de uma lágrima – Pedro Bandeira

Isabel é uma protagonista que se pareceu muito comigo aos 14 anos. Gordinha, que não era feliz com o que via no espelho.

Aqui temos uma narrativa bem tranquila, bem  linear e contínua, sem reviravoltas imprevisíveis.

Alguns temas são abordados de modo especial como amor não correspondido, ciúmes e a amizade. O narrador é onisciente, conhece tudo o que se passa com os personagens.

Eis o grande desafio de Isabel, vencer seus medos. Ela se vê embaraçada por apresentar sua melhor amiga Rosana à seu primo Cristiano, pois além de primo é também sua grande paixão. Sem confiança, Isabel sofre ao ver Rosana se derramar em amores por ele.

* Pena que ela não reconheça que o amor pode estar bem ao seu lado!
Já não bastam todos os problemas amorosos para deixar a vida da protagonista confusa, Isabel se vê como testemunha de um crime que somente ela poderá solucionar.
Senti muito carisma por todos os personagens. Muito da narrativa me trouxe lembranças da adolescência.

Acompanhe um pequeno mapa dos personagens e suas características.

  • Cristiano: Primo e grande amor de Isabel
  • Rosana: A melhor amiga de Isabel
  • Fernando: Um amigo de Isabel que tem uma queda por ela.
  • Dona Albertina: A diretora obesa que dirige a escola de Isabel. Ela diz que está fazendo um regime, mas ela come doces escondida.
  • Adelaide: É a tia de Isabel e a mãe de Cristiano.
  • Professora Olga: É uma a professora de filosofia de Isabel. Ela gosta de discutir sua matéria com os alunos.
  • Virgínia: A vice diretora

14500715_1093363834111894_8962443100459761967_oPedro  Bandeira, é Pedro Bandeira! Tive a oportunidade de conhecê-lo em um evento da Editora Melhoramentos em Campinas.  Já li vários de livros de sua autoria, como a série dos Karas, um dos muitos títulos que marcaram minha adolescência.

Apenas Um Garoto 42007_270716_1540_g

[SL] Video Resenha : O Homem que caiu na Terra

Olá, eu sou a Lya, do canal no youtube Lia o Livro, e deixo uma dica super legal do livro: O Homem que caiu na Terra, Walter Tevis.

Sinopse:

Thomas Jerome Newton veio de Anthea para a Terra em uma missão desesperada para salvar os poucos habitantes que ficaram em seu longínquo e desconhecido planeta. Para isso, precisa construir aqui uma nave que possa trazer os 300 de sua espécie que ainda vivem em um planeta onde a água acabou e os recursos são cada vez mais escassos.

Com conhecimento e inteligência muito superior aos humanos, Newton logo se torna um bem sucedido empresário do ramo de patentes tecnológicas e também descobre a solidão, o desespero e o álcool – criando uma delicada parábola sobre as mudanças que estavam ocorrendo entre os anos 1950, com o início da Guerra Fria.

Não se esqueça de me acompanhar nas redes sociais e se inscrever lá no canal ok?
Abraços,
Lya.

Blog: http://liaolivro.blogspot.com.br/
Siga-me: http://instagram.com/liaolivro/
Twitter: @mayumilia
email: liamayumii@gmail.com
caixa postal 81693-cep: 04378-971-São Paulo/SP

1984

[SL] Dobradinha Literária: 10 livros que você provavelmente não sabia que já foram proibidos

Burger’s Daughter, Nadine Gordimer

Nadine Gordimer

Quando falamos em censura de livros por motivos políticos, logo nos vêm à cabeça obras filosóficas ou relatos reais de pessoas perseguidas por ditaduras. Burger’s Daughter (“A filha de Burger”, numa tradução livre), porém, é um dos diversos livros de ficção que foram banidos por governos. O livro da britânica Nadine Gordimer conta a história de um grupo de ativistas brancos sul-africanos que lutam contra o apartheid.

Na época em que foi lançado (1979), a obra foi considerada “uma ameaça à segurança da África do Sul” pelas autoridades, que rapidamente proibiram sua importação. A proibição, porém, saiu pela culatra e ajudou o livro a se tornar uma das mais conhecidas e celebradas obras sul africanas, sobretudo por ativistas anti-apartheid.

O Senhor dos Anéis, J. R. R. Tolkien

The_Lord_of_the_Rings_First_Copies

A famosa trilogia fantástica escrita por Tolkien percorreu um longo caminho antes de chegar aos videogames e ao cinema. A história foi criticada por grupos religiosos pelo seu conteúdo considerado pagão.

Em 2001, membros de uma igreja do Novo México, nos Estados Unidos, chegaram a queimar cópias da publicação  – algumas comunidades cristãs locais proibiram o livro. Os religiosos acusaram a trilogia de fazer apologia ao satanismo, apesar de nenhuma menção a figuras satânicas ser feita durante o enredo – sem contar o fato de Tolkien ser cristão. Mais tarde, o filme também sofreria críticas de grupos antitabagistas, que acusariam a obra cinematográfica de estimular crianças a fumarem.

Arquipélago Gulag, Alexander Solzhenitsyn

DSC00203

Arquipélago Gulag traz relatos reais de seu autor, Alexander Solzhenitsyn, sobre os campos de trabalho forçado da extinta URSS. Alexander esteve preso por 11 anos nesses campos e descreve o que viu e ouviu nas cerca de 600 páginas do livro. Além de sua própria visão, o livro também apresenta relatos de mais de duzentas pessoas que presenciaram o cotidiano dos campos de trabalho.

Após a publicação, a obra foi censurada na União Soviética. Lançada no ocidente em 1973, Arquipélago Gulag circulou ilegalmente por 16 anos nas repúblicas socialistas, até ser oficialmente aceito no governo de Mikhail Gorbachev. Hoje, tornou-se um dos livros mais famosos sobre as prisões soviéticas e é considerado elemento fundamental do currículo das escolas Russas desde 2009.

Alexander também teve seu romance “Um Dia na Vida de Ivan Denisovich” censurado pelo governo soviético. O romance narra um dia da vida de um prisioneiro de um campo de trabalho forçado soviético.

A Riqueza das Nações, Adam Smith

fig01-wealth-of-nations

Um dos livros responsáveis por teorizar as bases da economia moderna, escrito por um dos mais aclamados economistas de todos os tempos, também foi um dos mais criticados. Após concentrar sua defesa na liberdade de comércio e propriedade, o economista Adam Smith viu sua obra ser proibida pela aristocracia do século XVIII por suas críticas ao mercantilismo.

Anos mais tarde, o livro foi acusado de ser muito capitalista acabou banido das prateleiras dos países socialistas.

Death Note, Tsugumi Ohba

O famoso mangá japonês Death Note que deu origem ao anime homônimo também sofreu censuras. Na China o livro foi proibido pelas autoridades. O motivo? “Proteger a saúde física e mental” dos estudantes.

Os governantes também acusaram a obra de “enganar crianças inocentes e distorcer sua mente e seu espírito”.

1984, George Orwell

A distopia (talvez não tão distópica) de Orwell já foi eleita pela TIME como um dos livros mais perseguidos ao redor do mundo – e não é pra menos. Em 1950, Joseph Stalin censurou o livro na União Soviética por considerar que a obra era uma crítica direcionada ao seu governo – ironicamente, um dos temas centrais do romance é a crítica à censura.

Além da URSS, os Estados Unidos e o Reino Unido quase deram uma de “Ministério da Verdade”, censurando o livro durante a crise dos mísseis de 1960. A ideia de censurar a publicação, no entanto, acabou ficando só no papel. Apesar disso, apelos regionais para que o livro fosse proibido aconteceram, como no Condado de Jackson, na Florida, onde o livro foi amplamente chamado de “pró-comunista”.

The Peaceful Pill Handbook, Philip Nitschke e Fiona Stewart

532880504_7080029909_o

Publicado em maio de 2007, “O Livro da Pílula da Paz”, numa tradução livre, traz instruções de como cometer um suicídio. O foco da publicação são as formas não violentas e indolores de tirar a própria vida, que recebem uma classificação de quão “pacíficas” são de acordo com um ranking estabelecido pelos autores.

A Austrália foi o primeiro país a proibir a circulação da versão impressa, seguida pela Nova Zelândia. Como forma de burlar as restrições, versões em ebook foram disponibilizadas na Austrália em 2008. A medida irritou tanto o governo do país, que foi cogitado um plano para restringir o acesso aos sites que disponibilizavam a versão do livro.

Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll

Apesar de ser um livro clássico e amplamente distribuído no Ocidente, Alice no País das Maravilhas sofreu uma série de censuras na China por volta da década de 1930. Na província de Hunan, o General Ho Chien censurou a obra por considerar que seus personagens antropomórficos (animais com características humanas) feriam a moral e insultariam os seres humanos “chamando-os de animais”.

A Revolução dos Bichos, George Orwell

orwell

Outro livro de Orwell que sofreu repressões, A Revolução dos Bichos (Animal Farm, no original), teve problemas já em 1943, logo após finalizado, quando nenhuma editora britânica se dispôs a publicar o livro temendo sofrer repressões do governo, então aliado da URSS. Após conseguir publicar as primeiras edições, Orwell teve sua obra rapidamente proibida na União Soviética e em outros países socialistas.

O livro também sofreu proibições no Quênia, em 1991, por sua crítica a políticos corruptos, e nos Emirados Árabes Unidos, em 2002, por conter imagens e textos contrários à moral islâmica – principalmente pela existência de um porco com características humanas. Até hoje o livro é censurado em Cuba, na Coreia do Norte e na China.

And Tango Makes Three, Henry Cole

A obra infantil de 32 páginas figura entre as publicações mais censuradas do mundo, de acordo com o The Guardian. O livro conta a história real de dois pinguins do Zoológico do Central Park de Nova York, que formaram um casal homossexual durante 6 anos. Os dois pinguins demonstram um comportamento afetivo, tentando chocar pedras em formato de ovos.

Ao perceberem as relações afetivas entre os pinguins e sua vontade de ter um filhote, os zeladores do zoológico deram aos animais um ovo de verdade, obtido de um cruzamento heterossexual entre outros dois pinguins impossibilitados de chocá-lo. Os pinguins homossexuais deram origem a uma pinguim fêmea chamada de Tango pelos zeladores.

O livro gerou uma série de polêmicas nos Estados Unidos e foi acusado de ser “ilusório”. Em vários estados, pais de alunos protestaram para que as escolas retirassem a obra das bibliotecas. Em 2006, a cidade de Charlotte removeu o livro das bibliotecas escolares, após decisão do Superintendente de Escolas da cidade. Em 2008, foi a vez do condado de Loudoun, quando o Superintendente de Escolas Públicas, Edgar Hatrick, ordenou a remoção do livro das bibliotecas das escolas públicas do condado. Recentemente, em julho desse ano, o Comitê Nacional de Bibliotecas de Singapura confirmou a destruição de livros infantis com temas pró-LGBT, incluindo o livro que conta a história de Tango.

Bônus: o cordel que o INSS censurou

davi

O cordelista pernambucano Davi Teixeira teve seu cordel “A Lei da Previdência” censurado pela INSS ano passado. O cordel chegou até o Grupo de Proteção de Imagens das Autarquias e Fundações Públicas Federais, que levou a publicação até o INSS. O INSS apurou que a obra passava um conteúdo depreciativo à imagem do Instituto e coagiu Davi a muda-la.

O cordelista, que vendia seus cordéis como fonte de renda, chegou a queimar 600 exemplares, com medo de ser preso. A obra só foi liberada para circulação depois que Davi pediu auxílio de um advogado, que entrou com uma ação na justiça. Só então, com o aval do juiz da 3ª Vara Federal, os poemas que criticavam o sistema da previdência puderam ser novamente vendidos pelo autor.

Fonte: Spotniks