maxresdefault hq720

#SetembroAmarelo + Sorteio [O último Adeus] | Meros Devaneios

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização da prevenção do suicídio. No Brasil, 32 pessoas tiram a própria vida POR DIA. Faça sua parte e evite que essa estatística aumente! Aproveitando o #SetembroAmarelo, quero compartilhar com vocês uma leitura que eu fiz no ano passado e que entrou pra minha lista de favoritos. Para isso, estou sorteando um exemplar de O último adeus, da Cynthia Hand.

Para participar basta preencher o formulário https://www.rafflecopter.com/rafl/dis… e esperar o resultado que sai no dia 30 de Setembro nas minhas redes sociais.

Regras:

1) Ser inscrito no canal

2) Ter endereço de entrega no Brasil O/a vencedor/a terá um prazo de 48h para responder o meu e-mail. Caso ela não responda no tempo determinado, um novo sorteio será realizado.

MINHAS REDES SOCIAIS ◾ twitter: http://twitter.com/_mdevaneios ◾ instagram: http://instagram.com/_mdevaneios ◾ facebook: http://facebook.com/BlogMerosDevaneios ◾ tumblr: http://merosdevaneios.tumblr.com ◾ skoob: https://www.skoob.com.br/usuario/417640 ◾ pinterest: https://br.pinterest.com/merosdevaneios

logo-2x-1

44º Salão Internacional de Humor de Piracicaba – Conheça sua História

De 26 de agosto a 12 de outubro 2017

O Salão Internacional de Humor de Piracicaba surgiu em 1974, em meio à ditadura militar, como uma iniciativa corajosa de um grupo de piracicabanos – jornalistas, artistas e intelectuais – que costumavam se reunir num conhecido bar da cidade chamado Café do Bule.

Tudo começou com a ideia de inserir uma mostra de humor gráfico dentro do Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba. A partir daí, esses piracicabanos partiram para uma viagem com destino ao Rio de Janeiro, no ano de 1972. Na capital carioca, Alceu Marozzi Righeto, Adolpho Queiroz e Carlos Colonnese, estabeleceram contato com o jornal “O Pasquim” e apresentaram o projeto ao cartunista Jaguar, que aprovou a iniciativa. Por escrito, Jaguar autorizou a cessão de seus originais em poder da Editora Abril, que não atendeu ao pedido e a mostra não aconteceu.

Após este fato, um grupo maior, encabeçado por Luiz Antônio Lopes Fagundes – na época Secretário Municipal de Turismo de Piracicaba – que contava com Alceu, Adolpho, Colonnese, Roberto Antonio Cêra, Ermelindo Nardin e Luis Mattiazzo (Chefe de Gabinete da Prefeitura), apoiado pelo então Prefeito de Piracicaba, Adilson Benedito Maluf, resolveu criar o Salão de Humor de Piracicaba. Alceu e Cerinha convenceram Fagundes a usar uma verba de 10 mil cruzeiros – a princípio destinada ao Salão de Fotografia – para a organização do I Salão de Humor de Piracicaba.

charge-1-lugarPara tal, teriam que voltar ao Rio de Janeiro e convencer os editores do “O Pasquim” a participarem do empreendimento. Seguiram viagem com a convicção que iam conseguir o seu objetivo. Depois de muita estrada, conversas, confusões e garrafões de pinga, os jovens que desejavam criar, numa cidade do interior de São Paulo, um Salão de Humor Gráfico que mais caberia em uma cidade grande, conseguiram o apoio de Jaguar, Millôr Fernandes, Paulo Francis e Zélio Alves Pinto.

A partir daí, teve início a grande amizade entre Piracicaba e os cartunistas mais festejados do Brasil e no ano de 1974 foi realizado o I Salão de Humor de Piracicaba, com a participação de Millôr, Ziraldo, Zélio, Jaguar, Fortuna e Ciça.

Em pleno regime militar, com o receio de ter suas portas lacradas no primeiro dia, o Salão ultrapassou todas as expectativas iniciais. Ninguém imaginaria que a partir da terceira edição, o evento se tornaria internacional, transformando Piracicaba em uma espécie de capital do humor para a qual anualmente tem os olhos de artistas do mundo inteiro voltados para si.

1-caetano_cury_nardi_-_brasil01Conhecidos cartunistas brasileiros contribuíram para a transformação do Salão de Piracicaba num dos mais importantes encontros do humor gráfico do Brasil e exterior, entre eles: Ziraldo, Fortuna, Millôr, Zélio, Henfil, Jaguar, Luis Fernando Veríssimo, Paulo e Chico Caruso, Miguel Paiva, Angeli, Laerte, Glauco, Edgar Vasques, Jaime Leão, Gual e Jal.

Realizado a 44 anos e considerado um dos Salões mais importantes do mundo no universo das artes gráficas, continua cumprindo seu papel na valorização da arte do desenho de humor: um espaço de reflexão e fruição do belo, revelando talentos, mostrando os profissionais consagrados e resgatando autores e obras históricas.

 

chapeuzinhoesfarrapado-barabara-300x300

[SL] Vídeo Resenha: Chapeuzinho Esfarrapado e Outros Contos Feministas do Folclore Mundial

Organizado por Ethel Johnston Phelps, o livro Chapeuzinho Esfarrapado e Outros Contos feministas do folclore Mundial nos traz um apanhado de histórias contadas pelo mundo, que aqui estão adaptadas e recontadas com uma pitada mais feminista sobre estás histórias. Com prefácio de Gayle Forman, enveredamos por caminhos nunca antes descritos sobre a coragem e o amor das mulheres.

Chapeuzinho Esfarrapado e Outros Contos Feministas do Folclore Mundial

Editora Seguinte

Ano: 2016  –  1º Edição

o-conto-da-aia-11

[SC] Séries e Livros Impactantes: O Conto da Aia (The Handmaid’s Tale) por Domenica Mendes

Bom dia amigos, apresento nossa convidada de hoje para esta resenha especial. Sim!!!! Domenica Mendes, veio especialmente do podcast Perdidos na Estante para nos deixar suas impressões sobre este livro tão importante e sobre a série que tem mexido com as entranhas da sociedade… kkkk

Para encontrar o Perdidos na Estante acesse o link ok?

O Livro

download“O Conto da Aia” (The Handmaid’s Tale) é uma daquelas obras que vai mudar a sua vida e a forma como você vê e vivencia suas experiências. Escrito por Margareth Atwood em 1985, a obra chegou a ser aclamada e igualmente proibida dentro de escolas, tamanha a reflexão e incômodo que promove. É quase um ato de rebeldia contra atitudes machistas e governos autoritários que destroem o nosso poder feminino e feminista.

A obra se passa em um Estados Unidos distópico, cuja data não sabemos ao certo, porém é não é muito distante da nossa realidade. Em parte do país, foi instaurada a República de Gilead, uma resposta criada para lidar com um problema de nível mundial: a falta da capacidade de procriação humana.

Em Gilead, todos têm obrigações e protocolos a cumprir bastante específicos e as mulheres são divididas em castas, de acordo com a sua utilidade. As mulheres comuns levam uma vida regrada e com obrigações, porém não são o centro da sociedade. As inférteis são chamadas de “Martha”, trabalhando na casa de famílias de poder, sendo responsáveis por cuidar da manutenção do lar. As férteis, ah!, a essas é dado um destino cruel: elas se tornam “Aias”.

Separadas de suas famílias e filhos, as Aias se tornam propriedade do estado, cujo destino é oferecer filhos para a manutenção da República de Gilead. É justamente pelo olhar de uma dessas mulheres que conhecemos a realidade dessa sociedade no livro e, posteriormente, na série.

A experiência de leitura e de seriadora

“O Conto da Aia” foi recentemente adaptada para uma série dramática, produzida e veiculada pelo Hulu, um streaming americano. A adaptação foi tão bem recebida pelo público e pela crítica que ela foi renovada para a segunda temporada antes mesmo de ser finalizada a sua primeira e recebeu diversas indicações ao Emmy de 2017.

Conhecer esse universo pelas letras é uma experiência de amadurecimento. A leitura não é difícil, pelo contrário, é extremamente humana e de fácil entendimento. Difícil mesmo é lidar com nossos sentimentos de repulsa e ansiedade criados pela possibilidade de nos vermos naquela situação ou em situações parecidas. E, neste ponto, a série merece palmas: é absurdamente bem feita e bem apresentada!

Compreendo que nem todas as pessoas gostem de livros distópicos ou obras provocantes, porém no momento histórico que vivemos é preciso cair de cabeça no universo criado por Atwood. Por isso, eu te peço: leia “O Conto da Aia” ou, se preferir, assista à série “The Handmaid’s Tale”.

Em tempos onde as minorias começaram a se (re)erguer e manifestar suas dores, exigindo seus direitos e lutando para reaver seus espaços cruelmente tirados pelo decorrer da história, as maiorias tiraram suas máscaras para gritar, bater, espancar, estuprar, torturar e matar a quem está querendo igualdade.

Todo esse processo que vivemos não é novo na História. E o “Conto da Aia” é uma obra que nos lembra disso. Margareth Atwood não criou um mundo fictício, pelo contrário, ela se baseou na História mundial para pegar elementos que já aconteceram e ainda acontecem a milhões de pessoas no mundo todo para mostrar o que é possível quando uma sociedade aceita uma mudança de governo em silêncio, mesmo sabendo que isso parece um pouco suspeito ou estranho.

É mais uma prova que nos mostra nossa grandiosidade e fragilidade enquanto sociedade. Dentro de nossas vidas particulares, costumamos nos esquecer do todo. Felizes somos nós que temos escritoras incríveis por Margareth Atwood que nos mostra o que é possível de nos acontecer caso desistamos de nossa sociedade e nós mesmos.

Obrigada, Atwood, por nos fazer mulheres mais fortes! Nolite te bastardes carborundorum*.

*Não deixe que os bastardos te derrubem.

 

Já renovada para a segunda temporada, “The Handmaid’s Tale” vem colecionando elogios…Vamos aguardar as novidades.

 

bingo-psycho

[SC] “Bingo – O Rei das Manhãs” não é filme para crianças…

Quando Daniel Rezende decidiu que faria da história de Arlindo Barreto – um dos primeiros e mais escandalosos atores a incorporarem o palhaço Bozo na televisão brasileira – seu primeiro longa como diretor, ele sabia que teria uma missão quase pioneira: mostrar a cultura pop nacional como ela realmente é, ou como foi nos loucos e incontroláveis anos 80.

Rezende tem intimidade com o tema: ele é um dos responsáveis pela fase mais pop do cinema nacional, tendo trabalhado como montador em “Cidade de Deus”, nos dois “Tropa de Elite” e também em “Ensaio Sobre a Cegueira” e “RoboCop”, ambos produzidos nos Estados Unidos, mas dirigidos por brasileiros.

Em “Bingo – O Rei das Manhãs”, o montador deixou de lado a mesa de edição e decidiu confiar a tesoura às mãos de Márcio Hashimoto (“Faroeste Caboclo” e “O Rastro”), na certeza de que o cinema não é trabalho de um homem só. “Como montador, sempre gostei do que eu pude proporcionar para os filmes, de poder trazer um olhar fresco, poder contestar o diretor e poder trazer uma outra visão. Então eu não queria perder isso, e foi muito prazeroso para mim poder olhar o material sendo transformado por outra pessoa”, explica, orgulhoso do resultado final.

Rezende, então, concentrou suas energias em contar essa história, tão nossa e tão escondida debaixo do tapete, como se o povo e os cineastas tivessem vergonha de coisas como Bozo, Xuxa e Conga Conga Conga. “Acho que o nosso cinema olha pouco para a nossa cultura pop. A gente olha para os nossos problemas sociais, a gente olha para as nossas culturas regionais… Mas a nossa cultura pop a gente não explora tanto”, pondera, lado a lado com um pôster estampado com Emanuelle Araújo no vestido curtíssimo e cor-de-rosa de Gretchen, descendo até o chão.

A cantora, aliás, é a única figura histórica que teve seu nome mantido no filme. Arlindo virou Augusto, Márcia (a mãe) virou Marta, Xuxa virou Lulu (ou algo assim) e até as redes de televisão tiveram seus nomes ligeiramente alterados. Ainda bem, porque as alfinetadas são distribuídas sem moderação e os processos, logo começariam a se empilhar.

O filme acompanha a trajetória do ator, de estrela pornô a apresentador do programa infantil, quando a marca internacional “Bingo” estava sendo trazida para o Brasil. Apesar do sucesso na TV, o artista foi proibido por contrato de revelar sua identidade em público e esse anonimato quase o levou à loucura.

Vladimir Brichta é quem veste o nariz vermelho e a peruca azul. Segunda opção para Rezende, depois da desistência de Wagner Moura por conflito de agendas, Brichta se mostra, depois de poucos minutos, a única opção possível. Sua pinta de galã ajuda a dar credibilidade ao lado mulherengo e “vida louca” do personagem, enquanto sua experiência com humor faz doer o estômago de tanto rir. Mas é no drama que o artista mostra a sua cara e, entre uma piada suja no palco infantil e uma ordem de restrição sobre o filho longe dali, o público devora as unhas e sente cada pontada no coração do palhaço-homem.

Para o ator, o objetivo era esse: mostrar as contradições de um palhaço, figura de extremos que personifica nossas emoções. “Não é só sobre um ‘palhaço triste’…”, reflete, tentando encontrar a imagem perfeita… “É um pouco por quê que o Robin Williams se matou.” – e encontra. “Essa pergunta afeta todo mundo, é um cara que faz a alegria das pessoas, mas tem um lado tão sofrido, tão desajustado… Acho que o palhaço, aquela boca, aqueles olhos, são lente de aumento sobre isso. É um aumento daquela alegria, mas parece que, na mesma proporção, também é um aumento da tristeza, da inquietação, da amargura, da incompreensão… E isso é humano, é de todos nós.”

Quem ajudou a encontrar esse palhaço, no ator e nas telas, foi a dupla Domingos Montagner e Fernando Sampaio, artistas circenses desde os anos 90 e referências no humor de picadeiro. Este será o último trabalho de Montagner a ser mostrado ao público nos cinemas, após sua morte acidental há quase exatamente um ano, durante as gravações de uma telenovela. O ator tem uma curta participação no filme como um palhaço mais experiente, que se torna mentor do protagonista.

Ambos participaram do desenvolvimento do roteiro como consultores e também estiveram presentes na preparação do personagem, ajudando Brichta, segundo ele, a “se aceitar” como palhaço – ele que sempre teve o instinto para a comédia, mas não se considerava digno do título. E agora?, lhe perguntam, ao que hesita só um pouco e responde, aliviado: “Agora, posso dizer que sou um palhaço”.

Pois o palhaço Bingo e sua história quase real chegam aos cinemas no 24 de agosto. E, não custa avisar, não é um filme para crianças. 

Fonte: Guia da Semana

jo-soares_o-xango-de-baker-street

[SL] Dobradinha Literária: O Xangô de Baker Street | Jô Soares

Rio de Janeiro, 1886. A diva francesa Sarah Bernhardt pela primeira vez se apresenta no Brasil. O público se curva perante o talento de Sarah, incluindo o imperador Dom Pedro II, que lhe conta um segredo: um valioso violino Stradivarius, um presente seu à baronesa Maria Luíza, desaparecera misteriosamente.

Sarah então sugere que o imperador convide o famoso detetive Sherlock Holmes para investigar o caso. Dom Pedro II aceita o conselho e logo o detetive inglês concorda em viajar até o Brasil para desvendar este mistério.

Ao mesmo tempo, um assassinato choca a cidade e deixa em pânico o delegado Mello Pimenta. Uma prostituta fora assassinada e teve suas orelhas decepadas e uma corda de violino estrategicamente colocada em seu corpo pelo assassino. Enquanto o delegado busca pistas, Holmes e Watson desembarcam no Rio de Janeiro sem saber os perigos que os esperam: feijoadas, caipirinhas, vatapás, pais de santo e o poder de sedução das Mulatas locais.

Nesta história, Sherlock Holmes, dr. Watson e o delegado Mello Pimenta vão percorrer as ruas da capital brasileira atrás de informações para descobrir o mistério do violino e encontrar o autor dos crimes que estão chocando a cidade.

A trama ressuscita um Rio de Janeiro de fins do século XIX governado pela monarquia, envolvendo uma nobreza bajuladora e uma turma de boêmios cariocas.

Nesta história o famoso detetive inglês tem suas faculdades analíticas e seu senso de observação afetados pelo calor dos trópicos e por circunstâncias inesperadas. Em uma perseguição ao misterioso assassino, Sherlock tem de parar por causa de um vatapá o qual lhe gerou uma dor de barriga. Este e outros acontecimentos que se seguem tornam o mesmo mais propenso a erros, mais humano.

a-menina-da-neve-minha-vida-literaria2

[SL] Dobradinha Literária| A Menina da Neve – Eowyn Ivey

Snapchat: aritadepaula
email: aritadepaula@gmail.com

Alasca, 1920: Um lugar especialmente difícil para os recém-chegados Jack e Mabel. Sem filhos, eles estão se afastando um do outro cada vez mais – ele, no duro trabalho da fazenda, ela, se perdendo na solidão e no desespero. Em um dos raros momentos juntos durante a primeira nevasca da temporada, eles fazem uma criança de neve. Na manhã seguinte, ela simplesmente desaparece. Jack e Mabel avistam uma menina loira correndo por entre as árvores, mas a criança não é comum. Ela caça com uma raposa-vermelha ao lado e, de alguma forma, consegue sobreviver sozinha no rigoroso inverno do Alasca. Enquanto o casal se esforça para entendê-la – uma criança que poderia ter saído das páginas de um conto de fadas -, eles começam a amá-la como se ela fosse filha deles. No entanto, nesse lugar bonito e sombrio, as coisas raramente são como aparentam ser, e o que aprendem sobre essa misteriosa menina vai transformar a vida de todos eles.

56

maxresdefault

[SL] Rapha Pinheiro : Vivendo na França chega ao Fim

O quadro vai chegar ao fim mas vai ser pelo bem maior! Quero a opinião de vocês sobre o que fazer agora no quadro novo.

Quer saber mais sobre meu trabalho? Aqui vai a lista de links úteis:

Meu Site: https://www.raphapinheiro.com/
Facebook: https://www.facebook.com/raphacpinhei
Instagram: @RaphaCPinheiro
Twitter: @RaphaCPinheiro

Aquele abraço!

 

 

k-de-bernardo-kucinski

[SL] K. Relato de uma busca | B. Kucinski

Um retrato da ditadura
Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu

“Pedaço de mim” – Chico Buarque

K. – Relato de uma busca, foi escrito por Bernardo Kucinski e trata-se de uma história que ao mesmo tempo em que é verídica também é uma ficção. O livro retrata a busca incansável de um homem pela sua filha que simplesmente desapareceu da faculdade onde lecionava. A filha era professora de Química e desapareceu durante a Ditadura Militar. O livro é real e também ficcional. Digo isso pela história da irmã do autor que também desapareceu durante a Ditadura Militar.

Esta história se assemelha à de Zuzu Angel, e mostra uma perversidade única na realidade dos “desaparecimentos”. O livro, verdadeiramente, te faz pensar em muitas coisas. Ele é a prova viva de tudo que a gente ouve na escola, de tudo que a gente lê, de tudo que a gente estuda.

K. mostra que, de fato, tudo aquilo foi real. A Ditadura aconteceu, as pessoas morreram, as pessoas desapareceram e, muitas delas, até hoje não se sabe o que aconteceu ao certo.
Por outro lado, esta é também uma história do sofrimento judeu, e tudo o que acontece não passa de uma repetição de outros tantos massacres históricos.

Uma marca boa do estilo de Kucinski é a alta variabilidade de gêneros no livro: há cartas, depoimentos… relatórios de informantes. Acho que isso, somado ao fato de que os capítulos são curtos e a história, boa, colabora para o fato de que a leitura flui rápida.

bernardo-kucinski-foto-de-carolina-ribeiro.jpgBernardo Kucinski: (São Paulo, 1937) é um jornalista, escritor e cientista político brasileiro. É colaborador do Partido dos Trabalhadores e professor da Universidade de São Paulo, onde ministra a cátedra de jornalismo internacional, entre outras.

 

download

[SL] Vídeo Resenha | Os olhos do dragão – Stephen King

Olá amigos eu sou a Lia, do canal Lia o livro e trouxe uma vídeo resenha do mestre Stephen King.

Título: Os olhos do dragão
Autor: Stephen King
Editora: Viking Press
Ano:1987
Páginas:
Edição: 1

Sinopse: Um conto de fadas escrito pelo mestre do terror? Pode parecer estranho, mas o ‘Os Olhos do Dragão’ é um livro de características bem diferentes das demais obras de Stephen King. Segundo o escritor, esse romance surgiu do desejo de criar algo especial para a sua pequena filha, Naomi. Surgiu, então, a idéia de uma fábula. O resultado é uma história sobre o amor fraternal na qual o autor se dirige ao leitor como se estivesse contando uma lenda em voz alta.

Sigam-me os bons..kk

Blog: http://liaolivro.blogspot.com.br/
instagram: @liaolivro
Twitter: @mayumilia
email: liamayumii@gmail.com
caixa postal 81693-cep: 04378-971-São Paulo/SP

download

[SL] Vídeo Resenha: Na Escuridão, Amanhã – Rogério Pereira

Olá amigos, eu sou a Lia do canal Lia o Livro e trouxe uma resenha hoje de um livro nacional.

Título: Na escuridão amanhã
Autor: Rogério Pereira
Editora: Cosac Naify
Ano: 2013
Páginas: 128
Edição: 1

Sinopse:

Ambientada primeiro no campo, no interior de um estado do sul do Brasil, a narrativa desvenda uma roça anti-idílica, sufocante, em que os protagonistas – um casal e seus três filhos – se enredam cada vez mais na ausência de comunicação, perseguidos pela Idea de um Deus sem piedade. Ao migrar para a cidade grande em busca de vida melhor, a família se desgarra e se perde. A escuridão é o fim, o fim dos personagens, dos sonhos, das angústias. Amanhã é a incerteza, a perspectiva de um futuro desconhecido mas certamente ameaçador, pois é impossível que traga algo de bom. Viver é avançar para lugar nenhum. Por mais que invoque a proteção de Deus, não há conforto na experiência amedrontada, desencadeada da vida dos personagens deste livro em que a memória é convocada obsessivamente, como se narrar o que foi vivido pudesse ser uma redenção. O resultado é uma obra surpreendente em sua força claustrofóbica e em sua poesia contundente.

Me acompanhe nas redes por ai..

Blog: http://liaolivro.blogspot.com.br/
instagram: @liaolivro
Twitter: @mayumilia
email: liamayumii@gmail.com
caixa postal 81693-cep: 04378-971-São Paulo/SP