psn-codes-online

[SG] PSN: Aumento, desrespeito com o Brasil e Jogos de Agosto

Olá Geeks,

Dando início ao mês de agosto trazemos os jogos que estarão disponíveis para o Playstation 3, 4 e Vita. Além de notícias que não deixaram os assinantes felizes.

Antes da lista, falaremos sobre o aumento da psn. Sim! a sony começou a enviar emails para os assinantes avisando que a partir do dia 31 de agosto haverá aumento nas assinaturas. Nós só conseguimos a lista de valores da psn europeia.

Valores:

  • Subscrição de 12 meses passa de €49,99 para €59,99.
  • Subscrição de 3 meses passa de €19,99 para €24,99.
  • Subscrição de 1 mês passa de €6,99 para €7,99.

Lista de jogos:

    • Strike Vector EX (PS4)
    • Assassin’s Creed: Freedom Cry (PS4)
    • Super Motherload (PS3)
    • Snakeball (PS3)
    • Downwell, (PS Vita crossbuy com PS4)
    • Level 22 (PS Vita)

Nos vídeos abaixo teremos as imagens dos jogos e a explicação do por quê da psn brasileira não ter recebido Just Case 3 conforme os jogadores americanos.

 

Portal_PsPlus

[SG] Jogos da PLUS e Gold – Abril de 2017 (Playstation / XboxOne)

Geeks e Gamers,

Segue a lista dos jogos que nós assinantes poderemos desfrutar.

 

Lista completa de jogos do Playstation:

  • Drawn To Death (PS4)
  • Lovers in a Dangerous Spacetime (PS4)
  • Invizimals: the Lost Kingdom (PS3)
  • Alien Rage – Extended Edition (PS3)
  • 10 Second Ninja (PS Vita, cross buy PS4)
  • Curses ‘n Chaos (PS Vita, cross buy PS4)

Lista completa de jogos do Xbox:

  • Ryse:Son of Rome (Xone)
  • The Walking Dead: Season Two (Xone)
  • Darksiders (360 retro XOne)
  • Assassin’s Creed Revelations (360 retro XOne)

psn-codes-online

[SG] Jogos da PLUS – Fevereiro de 2017 (Playstation)

Geeks e Gamers,

No dia 07 de fevereiro estará liberado mais joguinhos para aproveitarmos esse início de ano!

Vamos para a lista:

  • LittleBigPlanet 3 (PS4)
  • Not a Hero (PS4)
  • Starwhal (PS3 cross buy PS4)
  • Anna — Extended Edition (PS3)
  • Ninja Senki DX (PS Vita, cross buy PS4)
  • TorqueL (PS Vita, cross buy PS4)

psn-codes-online

[SG] Jogos da PLUS – Janeiro de 2017 (Playstation)

Geeks e PSManíacos,

Listamos hoje os primeiros jogos de 2017 para os assinantes da PLUS (PSN).

Cada link dos jogos relatados abaixo levará ao seu respectivo trailer.

E aí o que acharam, a Sony começou com o pé direito ou não?

Até mês que vem.

 

- PS4

+ Day of The Tentacle Remastered

This War of Mine: The Little Ones

 

- PS3

Blazerush

The Swindle

 

- PSVita

Azkend 2

Titan Souls

download (4)

Sphera Games #13 – O Fantasma De Esparta (God Of War)

Olá!

Para você que não me conhece eu sou o Jack e sim, sou viciado em games!

A saga que irei resenhar (obviamente será um jogo dessa saga por mês, no naipe de MGS) será a consagrada saga God Of War, tradução: Deus da Guerra. É um jogo de visão em terceira pessoa, do gênero Hacking Slash (onde você basicamente anda e bate em tudo que se mexe). Desenvolvido pela empresa Santa Monica e distribuído pela Sony em 2009, se tratando de um exclusivo de PS2 e remasterizado para PS3 posteriormente.

A história de GoW é contada em formato de lembranças, começando do final e contando como tudo foi parar naquele ponto da história assim como aquele filme com o Brad Pitt e Edward Norton: Fight Club onde o protagonista Jack (sim, dai que vem meu nome) está em uma situação extrema e narra a história até aquele ponto.

Em GoW não é diferente. O jogo começa com o protagonista Kratos na beira de um penhasco se lamentando por acontecimentos do passado que até então você não sabe o que é. Ele se joga no que parece ser a morte. Para entender os motivos de Kratos, é necessário visitar o seu passado antes do jogo.

Antes de prosseguir com a história vai um detalhe muito f*da e importante: o jogo inteiro é baseado em mitologia grega, algo que MUITA gente é fascinada (assim como eu). Kratos em grego significa “Poder” ou “Força” só que prestem atenção! Ele não existe na mitologia grega. Cratos é um personagem completamente diferente de Kratos.
“Como assim?”

Bem, Kratos é um personagem inventado e inserido na mitologia, tipo os personagens de Assassin’s Creed e MGS saca. Esse personagem do jogo nasceu e cresceu em Esparta. Vamos a uma pequena aula de história para que vocês entendam o conceito dos Espartanos (muito bem demonstrados no filme 300).

Esparta era uma cidade-estado da Grécia considerada militarista, sendo obediente a ordens e autoridades. Os homens espartanos eram inseridos no exército aos 7 anos de idade! Onde aprendiam a ter disciplina, concentração, estratégia, educação e força. Aos 12 anos eram abandonados para fora da cidade (todos nús) e teriam que viver por conta própria, tendo somente permissão para voltar quando completassem 18 anos. Mesmo assim eles não eram bem tratados! Não tinham voz e nem permissão de votar. Caso eles chegassem aos 30 anos, sua vida apresentaria alguma melhora pois eram promovidos a Oficiais, tendo direito a voto e a casar-se com qualquer mulher de Esparta. E se por um milagre de Zeus eles chegassem aos 60 anos,poderiam se aposentar e seriam idolatrados.

wallpaper_god_of_war_3

As mulheres espartanas não tinham “mamata” não! Eram criadas desde pequenas para serem inteligentes, praticavam danças, esportes e lutas, para gerarem filhos saudáveis e perpetuassem a linhagem espartana. Em Esparta as mulheres tinham respeito e voz! Diferente de outras cidades em que a mulher era basicamente um objeto de reprodução (ridículo, mas ok). Depois de casada a mulher poderia ter relações com qualquer homem da cidade enquanto seus maridos se ausentavam em guerras. Quantos mais filhos saudáveis uma mulher tivesse, mais respeitada e desejada ela era. Esparta criava homens e mulheres fortes e respeitáveis, mas a formação ideal para tal era cruel.

Kratos cresceu nesse fundamento, sendo assim frio e amargo apenas respeitando um ou outro. Ele se destacava entre os “destaques”, logo sse tornando “o cara”. Seus feitos em batalha eram lendários (era também um singelo pegador, tido como escenten amante). Mas, uma pequena observação de algo que aconteceu com Kratos e que com certeza acontecerá contigo se você for homem. Por mais que você seja o cara, sempre terá uma mulher que irá te derrubar, o seu coraçãozinho vai fraquejar por ela. E quando você estiver na balada com outra, não vai ser naquela que você irá pensar e sim em outra. Tenso né?

Isso não foi diferente com nosso Espartano, ele conheceu uma mulher chamada Lisandra com que se casou e teve uma filha chamada Caliope (se eu errei na escrita me perdoem). Ela nasceu com uma doença de pele e aos olhos de Esparta ela era uma criança fraca e deveria ser morta. Porém, Kratos não aceitou o destino de sua filha e soube de um Elixir chamado Ambrosia que poderia cura-la. Ele pediu um prazo para o rei para que pudesse buscar essa cura. O rei ficou com certo receio por medo de perder um de seus melhores homens, mas em honra a suas conquistas ele permitiu.

latest_god_of_war_3-wide

Kratos badass foi até lá e conseguiu curar sua filha, sendo promovido a capitão pela sua bravura. Anos depois Kratos já era um general e estava em
meio a uma batalha contra os bárbaros. Os bárbaros eram completamente o oposto dos espartanos, eles não tinham organização, respeito ou disciplina. Só matavam e espalhavam o caos por onde passavam (no naipe daqueles personagens de Hermanoteu saca? Vide Hermanoteu na Terra de Godah).
O inesperado ocorreu, o exercito de Kratos foi massacrado e ele ficou aos pés do Rei dos Bárbaros.

Em um momento de aflição ele roga o Deus Ares, oferecendo sua alma e lealdade em troca de sua vitória em batalha. Ares ouve o chamado e envia as Harpias ao campo que lhe fornecem a Lâmina do Caos (a arma que usamos ao longo do jogo) as correntes ficam presas aos braços do portador pela eternidade, ou até que Ares as retire. Essas lâminas se incendeiam quando usadas em combate e com elas Kratos decapita o Rei Bárbaro e passsando a servir Ares. Com essa temível arma e Ares ao seu lado Kratos passou a ser imbatível!

Conquistava cidades promovendo sempre violência e morte de inocentes. Todo o respeito e honra Espartana foram abandonadas. Tudo para servir a Ares por puro medo de sua fúria. Lisandra dizia que ele havia mudado, dizendo que sua sede de matança um dia acabaria com ele, mesmo asim não deu ouvidos. Um dia recebeu um comando de Ares para dizimar uma vila de seguidores da Deusa Atena (Deusa da Guerra Estratégica) e no meio do banho de sangue ele acaba matando sem perceber sua esposa e filha Esta era uma armadilha de Ares.

A oráculo da vila o amaldiçoa grudando a cinza de sua mulher e filha em sua pele. Daquele dia em diante, ele não conseguiria dormir por conta dos
constantes pesadelos que teria sobre este fatídico dia. Ele se torna o Fantasma De Esparta.  Ares fez isso por um simples motivo: Ele achava que a família de Kratos era o que o impedia de ser o soldado perfeito.

Mas nada seguiu como ele planejou! Kratos tomado pela vingança (o sentimento mais demonstrado nos jogos da série) se revoltou e confrontou o Deus Da Guerra. Ele procurou os outros Deuses para o perdão de seus pecados. Sua guia durante 10 anos foi a Deusa Atena, que um dia confrontada por Kratos disse que sua cruzada estava chegando ao fim e que seus pecados e pesadelos sumiriam. Porém, ele teria uma última missão, mandar Ares para “PQP” kk. Os Deuses ofereceram ajuda, mas ele teria que fazer isso sozinho.

A única chance de derrota-lo seria conseguir a Caixa De Pandora Nesta caixa, haveria poderes que seriam maiores que a dos Deuses, este poder seria a Chama do Olimpo. Com medo, Hefesto fez uma fortaleza para essa Caixa amarrando-a nas costas do Titã Cronos, condenando-o a carrega-la pela eternidade. Se ele conseguisse os poderes da Caixa, poderia assim, matar Ares. E é ai que o jogo começa.

A campanha dura em torno de 10 horas e não existe dificuldade muito elevada. É basicamente andar e bater no que se mexe. A única dificuldade real do jogo são alguns “quebra cabeças” de uma fase no “Templo de Pandora” que são muito chatos. Os gráficos são maravilhosos para a época, sendo bem na vibe de DMC e MGS ou até mesmo Shadows Of The Colossus. Isso se aplica na ambientação também que é riquíssima!

A trilha sonora do jogo é maravilhosa como de praxe de jogos da Sony. A jogabilidade é simples é basicamente só esmagar os botões, você também pode dar pulos duplos e como a visão é em terceira pessoa, vira e mexe você se embanana com câmera do jogo e isso é irritante para caramba. A recepção do jogo foi extremamente aceita pela crítica gerando assim uma sequencia, sendo um dos melhores jogos de PS2 já feitos e com certeza se encaixa no meu top 10 jogos da minha vida.

Dou 4.0/5.0 para o jogo por motivos simples: A câmera no jogo para uma pessoa estabanada como eu é horrível.Então, espero que vocês tenham gostado e adquirido certo conhecimento sobre o jogo.

Para me encontrar na rede e enviar seu email acesse:
contato@spherageek.com
Twitter: @JackSpheraGeek

Um abraço,

Jack

herois-da-galaxia-1

Sphera Cine #19 – Heróis da Galáxia: Ratchet e Clank

Olá,

Chegando aos cinemas dia 5 de Maio, Heróis da Galáxia conta a história de um mecânico de naves espaciais, Ratchet, quer se tornar um patrulheiro galáctico, apesar de ser meio estabanado, e tem sua vida moldada em torno de seu grande herói, o Capitão Qwark. Sua vida muda drasticamente quando, por acidente, Ratchet descobre nos destroços de um veículo espacial um pequeno robozinho, Clank, que possuía os planos de invasão e destruição de todo um corrupto governo galáctico liderado pelo presidente Drek, que pretende roubar pedaços de planetas para construir o que seria o planeta perfeito e lucrar em cima desse novo empreendimento. Cabe apenas a Ratchet junto a seu novo amigo Clank a se reunir com a tropa do Capitão Qwark para deter os planos do vilão Drek.

Baseado na franquia de jogos homônima, o longa animado de Ratchet e Clank conta a mesma história de origem que vemos no jogo lançado nesse mesmo ano de 2016 pela produtora original, a Insomniac Games, para o PlayStation 4. Esse reconta em um novo formato, gráficos atualizados e história repaginada dos acontecimentos do game original de 2002 para a plataforma PlayStation 2. Apesar da linha de raciocínio dos personagens principais ser praticamente a mesma entre os jogos, os acontecimentos da nova versão quanto as motivações do personagem de Ratchet é um pouco diferente, no geral, tem sua história diluída e mais elaborada, talvez pela adição de novos personagens secundários.

Lançado nos EUA em 29 de abril, Heróis da Galáxia pode não ter um enredo tão impressionante, mas tem um visual bem colorido e bem humorado, demostrando uma adaptação bem fiel ao conteúdo original dos jogos. Arrisco a dizer que não deixará nada a desejar aos fans da franquia, especialmente quanto as referências a outros títulos da Insomniac Games. Mesmo assim, O filme parece ter sido mal recebido tanto pelo público quanto pela crítica especializada no exterior. Na versão original, conta com as vozes talentosas de Paul Giamatti, John Goodman, Bella Thorne, Rosario Dawson e Sylvester Stallone no elenco de apoio e também James A. Taylor com David Kaye reprisando seus papéis do Jogo nas vozes dos personagens principais.

 3 / 7 Spheras

Bruno Gaspar

ps4-vs-xbox-one-resolutiongate-controversy Portal_PsPlus

SpheraGames: Jogos da PLUS e da withGOLD – Fevereiro de 2016

Geeks e Gamers,

Começamos o ano e o que podemos esperar de 2016 de jogos dos nossos consoles do coração?

Vamos para a parte II de 2016, tanto da Sony (Plus) e da Microsoft (WithGOLD), que ainda continuam fracas. Segue a lista de jogos:

Lista Completa PLUS (Sony):

  • Grid Autosport, PS3
  • Helldivers: Democracy Strikes Back , PS4, PS3, PS Vita
  • Lemmings Touch, PS Vita
  • Nom Nom Galaxy, PS4
  • Nova-111, PS Vita
  • Persona 4 Arena Ultimax, PS3

Lista Completa GOLD (Microsoft):

  • Hand of Fate, XONE (Mês todo)
  • Styx: Master of Shadows, XONE (2ª quinzena de fevereiro e 1ª quinzena de março)
  • Sacred Citadel, XBOX 360 (1ª quinzena)
  • Gears of War 2, XBOX 360 (2ª quinzena)

 

Plus Fev 2016

 

Gold Fev 2016

SpheraPlay #05 – Vale a pena? Mass Effect 3 Leviathan

O criador recomenda que esta postagem seja lida ao som de:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=yZsR6jKT8bk&w=400&h=75]

Creio que esta seja a pergunta principal sobre o DLC de um game, se ele vale o maldito preço inflacionado que as desenvolvedoras e distribuidoras cobram. No último dia 28 de Agosto, chegou Leviathan para Mass Effect 3, o primeiro novo conteúdo para o game por download.

Este artigo procurará trazer uma discussão ao mesmo tempo do review. Assumo que quem por um acaso esteja remotamente interessado por um pedaço de conteúdo vendido por download para ler esse tipo de opinião queira mais do game.

Aqui eu falo sobre a forma mais comum do chamado “Downloadable content” em vídeo games, o conteúdo baixável pelas redes online Xbox Live, Playstation Newtwork ou uma das várias no PC como Steam, Origin ou Gamefly. Uma prática muito comum na atual indústrias dos game que até então era restrita ao mercado de PCs mas chegou com tudo nesta geração com a total conexão dos consoles à internet. Patches de correção e conteúdos grátis e pagos se misturam e tornaram a compra de um game muito mais complicado, principalmente nos grandes games blockbusters. DLCs são distribuídos por além de compra na rede, pela pré-compra do game, produtos licenciados relacionados, ou até por um vale que garante conteúdo ainda não lançado. Este conteúdo chegam geralmente à preços que deveriam equivaler à grandes porções do jogo original, os preços são muito altos.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=N9ykGFH91TE&w=400&h=225]

Então, Mass Effect 3 Leviathan vale os 10 dólares cobrados?

SIM.

É provavelmente o melhor DLC de missão de Mass Effect até então, o que não é pouca coisa considerando os conteúdos passados. No mínimo tão bom quanto Lair of the Shadow Broker de Mass Effect 2. Não teve um momento em que a missão não fosse muito divertida. Talvez seja a mais longa ou com uma duração semelhante à Overlord também, de Mass Effect 2. Devo avisar que ainda não joguei novamente o final com ele para ver qual conteúdo é adicionado à missão final. Mas pelo que é dito, o que é adicionado é uma opção na roda de diálogos e então umas duas frases faladas.

Essa missão traz muitas boas coisas diferentes, mas a exploração e narrativa é o que realmente tomam lugar. A Bioware tentou muito passar uma aura de mistério e intriga, um pouco semelhante à Overlord e devo dizer que foram bem sucedidos, há aqui o melhor da apresentação audio-visual da série. O preço é até um pouco justificável pelos seus valores de produção. Os personagens novos mais importantes possuem visuais únicos (nada de reciclagem e visuais genéricos) e absolutamente TODOS os membros do squad tem um número grande de falas como no game principal. Não estão mudos com em Overlord e Lair of the Shadow Broker ou Shepard sozinho como em Arrival. Eles estão aqui em grande estilo.

Na jogabilidade, acertaram de forma muito competente no ritmo, alternando entre momentos mais calmos e ação. É também notável como aproveitaram algumas mecânicas das missões multiplayer do game e abusaram de set pieces criando ótimos cenários para o combate.

Além da missão, o game adiciona as duas armas possíveis somente como pre-order e um bonus power novo.

Nota: 9/10

E então, você aprova a política atual das distribuidoras de games com conteúdo vendido para download? Costuma consumir DLCs? Jogou Leviathan? Deixe um comentário.